4

Dor Emocional do Passado: Uma Nova Paixão Resolve?

doremocionaldopassado

Não é raro ao falar com meus pacientes, num certo momento da entrevista, para darmos uma olhada no passado deles em busca de algo que possa nos ajudar a entender o sofrimento atual que motivou a consulta, dizerem: “Já sou adulto, o passado já foi, não interfere em nada no meu presente.” Não interfere? É possível zerar dores do passado para que não mais perturbem hoje sem examiná-las, tomar consciência delas e aprender a lidar com elas de maneira saudável?

Geneen Roth conta em seu livro “Carência Afetiva e Alimentação” (p.169 à 171, Editora Saraiva) sobre uma amiga que era deixada pelo pai sozinha na porta de casa quando criança, e uma vizinha cuidava dela. Ficou sem ver a mãe por mais de 35 anos. Quando a vizinha ficava impaciente com ela, colocava a menina com as mãos amarradas para trás e enchia sua boca com ameixas secas para ficar quieta. Ela sentia muita raiva do pai e ao crescer apesar de ter sempre contato com ele, geralmente esquecia do aniversário dele, não retornava seus telefonemas para ela, ao marcar encontros com ele atrasava sempre mais de uma hora, sempre argumentando: “Depois do que ele fez comigo ele não tem o direito de reclamar do que eu faço.”

Em tratamento psicológico ela ouviu de seu terapeuta que havia muita dor guardada dentro dela. E logo retrucou dizendo: “Quero pensar no meu futuro e não no meu passado.” Nos atendimentos surgiu que ela tinha muita dificuldade para falar do passado com o pai e que sentia muita raiva dele, mas uma raiva como os discos antigos de vinil que quando arranham ficam repetindo: “Depois do que meu pai me fez, depois do que meu pai me fez, depois do que meu pai me fez.”

No seu terceiro casamento está apaixonada pelo novo marido e crê que nunca sentiu tão bem. Criticou e ironizou o terapeuta que lhe havia dito que ela tinha coisas mal resolvidas do passado que poderiam influenciar seu presente. Disse: “O que aquele psicólogo sabia, afinal de contas? Quem diz que preciso examinar meu passado?”

A verdade é que se você nunca pára para examinar se e como seu passado influi negativamente no seu presente e pode perturbar o futuro, é bem provável repeti-lo. Cientistas de psicologia de casal afirmam que dos que se divorciam sem dar tempo para entender onde, como, por que falharam em seu casamento, a fim de evitar repetir os mesmos erros num novo relacionamento, 60% separam a segunda vez, e 70% a terceira vez.

O novo casamento apaixonado desta mulher não resolveria a dor da infância dela, a qual continuava trancada no seu inconsciente. Ela muito provavelmente teria explosões de raiva quando seu marido fizesse algo que tocasse na ferida inconsciente, quando iria falar tudo o que queria ter dito quando estava com a boca cheia de ameixas e as mãos amarradas para trás. Ao seu esposo atrasar para chegar em casa, isto poderia trazer à tona sensações dolorosas de abandono (ligadas ao pai) e reagir de maneira exagerada com o marido, que não entenderia nada. Poderia ir dormir irada e repetindo: “Depois do que ele me fez, depois do que ele me fez, depois do que ele me fez.” Mesmo crendo ter encontrado o “amor da minha vida” no novo casamento.

Não dá para ter relacionamentos curadores no presente sem desejar e buscar a cura da dor do passado. Para obte-la é preciso crer que ela é possível e desejá-la mais do que ter medo de sentir raiva, dor e tristeza. Desejar isto com decidida vontade de amadurecer como ser humano e tomar atitudes práticas nesta direção.

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Autor: Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza, médico psiquiatra e psicoterapeuta, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, membro da American Psychosomatic Society, consultor psiquiatra da revista Vida & Saúde onde mantém coluna mensal, professor de Saúde Mental, visitante, do College of Health Evangelism e "Institute of Medical Ministry" do Wildwood Lifestyle Center and Hospital, Estados Unidos, Diretor Médico do Portal Natural, autor dos livros "Casamento: o que é isso?" e "Consultório Psicológico".

Artigos Relacionados:

Receba grátis nossas novidades!

Compartilhe este artigo!

4 Comentários. Participe você também!

  1. lis disse:

    A dor emocional é um assunto que me interessa de momento, sinto-a, e sei a causa deste sofimento, mas tenho tido dificuldades em utrapassa-la. Nem os antidepressivos eansioliticos, e o execicio físico, me têm ajudado a sanar ou ” controlá-la”. Recorro, ou socorro-me da oração, mas quando termino de orara encontro. a imensa solidão, e novamente depois de um momento de abstração, a amargura e a dor, que me faz sofrer. Tenho vontade de desistir de tudo…, não sei o que fazer, o que me sustem ou mantem -me agarrada à vida é o facto de saber que o meu filho ainda precisa muito de mim.
    Não sei porquê a sensação de vazio, de desinteresse, pelas demais pessoas, pelo trabalho, pelo lazer. Apetece- me fugir, apetece- me desaparecer, mas receio magoar os meus afins. Enfim até quando vou suportar isto, não sei, mas parece – me um grande fardo a carregar, sen conseguir aliviar da mesma. Lis.

  2. meiriele disse:

    nos nao podemos fugi dos problema mas sim resolver, para termos paz interior.
    so deus pode ajudar tirar as tristezas do coraçao,so ele pode dar paz ,em nossos coraçoes,so ele pode restaurar nossas vidas.so ele pode resolver ,as dificuldade,os problema do passado e do presente,deus pode porque ele e o deus de maravilhas:D:D:D:D:D:D

  3. Bylla disse:

    Com certeza, qd nao resolvemos nossa paz interior, o probelma sera projetado para o proximo relacionamento.. e consequentemente sofrera de novo..otima materia..

  4. Pontes disse:

    Se não for trabalhada a dor emocional do passado , com certeza, não seremos felizes no presente. Parabéns pela matéria !!! Pontes

Deixe Seu Comentário

Digite o código acima*


HOME | QUEM SOMOS | CONTATO



parceiroIASDO Portal Natural é um ministério de apoio à Igreja Adventista do Sétimo Dia
Parceria:


Copyright © 2002-2015 PortalNatural. Todos os direitos reservados.

Importante: As informações contidas neste site são destinadas unicamente para fins de informações e conhecimento geral, não devendo, em hipótese alguma, ser utilizadas como diagnóstico médico ou adoção de medicamentos. Qualquer dúvida, sintoma ou preocupação quanto à sua saúde, procure orientação médica ou profissional em sua respectiva área. | Os comentários postados nos artigos não constituem necessariamente a opinião dos criadores deste site, mas sim da própria pessoa que o postou. Não são permitidos comentários com citações de nomes, telefones, emails, sites, ou qualquer outro conteúdo que venha a expor ou difamar a imagem ou o sigilo de uma outra pessoa.