1

Como viver num mundo agressivo se você não é uma pessoa agressiva?

pessoa-agressiva

Vivemos num mundo de competição, muitas vezes maldosa, agressiva, e até violenta. Mas temos que viver numa sociedade assim, a menos que decidamos ir para um mosteiro, numa comunidade pequena isolada numa montanha, indo à cidade somente para o essencial. Resolveria sua dificuldade de autoproteção? Faria útil sua existência? Como se proteger da agressividade cansativa da sociedade “normal”?

Você já lidou com balconista, chefe, parente, que deram resposta agressiva para sua pergunta? Ou, comum no Brasil infelizmente, já lidou com funcionário público com má vontade de lhe atender, respondendo suas perguntas com monossílabos, como se tivesse lhe fazendo imenso favor, ao invés de atender com simpatia na função para a qual deve ser muito bem pago com o dinheiro dos impostos que pagamos?

As agressões verbais perturbam bem mais os passivos que não sabem o que fazer na situação, porque os naturalmente assertivos já têm uma agressividade autoprotetora que os ajudam bastante na vida social. Parece que os assertivos conseguiram reagir bem a comportamentos disfuncionais na infância, ou seja, se protegeram bem de atitudes erradas de seus pais, brotando de dentro delas a autodefesa com facilidade, enquanto que os irmãos/irmãs com outro temperamento, e diante da mesma atitude errada dos pais, podem não ter tido esta capacidade de reagir em defesa própria.

Quando uma criança dá os primeiros passos para se autodefender e é castrada, às vezes com palavras duras dos pais, como: “Cale a boca! Quem manda aqui é seu pai/sua mãe!”, a autoridade normal dos pais se torna ditadura emocional e destrói na criança a noção de valor pessoal, direito de ser alguém, de se defender e se torna um adulto inseguro. Este é o caso em que os pais deveriam ter oferecido espaço para a criança expressar a ideia ou zanga normal dela, mas foi criticada e castigada, talvez por pais que a amavam, mas não sabiam dosar a colocação de limites com dar liberdade da criança expressar sua zanga normal. Numa família assim, por outro lado, a criança que tem uma natural força de autoproteção é geralmente castigada, mas sem perder a capacidade de se defender.

A criança castrada na sua expressão de zanga, ideias, pontos de vista, se torna super obediente porque ao longo dos anos de convívio com pais confusos sobre a questão de colocação de limites e exercício de autoridade, aprende, erradamente, que tem que ser sempre “boazinha”, nunca pode questionar nada, e que não tem direito de se defender. Isto é um desastre para a vida adulta porque esta pessoa terá que enfrentar um mundo agressivo, com pessoas agressivas, dominadoras, abusivas, autoritárias.

As crianças que não aprenderam a exercer seu direito de ser plenamente um indivíduo que tem ideias, pensamentos próprios, serão adultos que pagarão um preço alto para se sentirem amadas, tendo forte tendência a deixarem de lado o autorespeito, e frequentemente trocarão o “Eu quero sim” por “O que você quiser”, serão flexíveis demais. Prejudicarão a si mesmos por não saberem confrontar os outros com uma postura firme e forte. Perderão a noção do que querem. Ou saberão o que querem, mas não terão forças para lutar por isso.

O caminho para um adulto não agressivo sobreviver num mundo cruel, envolve entender que ele(ela) está ainda com necessidade forte de ser amado(a), trazida da infância e que precisará abrir mão disto para começar a se defender e ser a pessoa que precisa ser para viver a vida que tem direito de viver.

Em seguida precisará treinar papéis assertivos, imaginando cenas comuns da sua vida que ocorrem diariamente, como lidar com um patrão autoritário, uma esposa “bronca”, um marido grosseiro, etc. Estre treinamento envolve pensar no que possivelmente ocorrerá na interação com a outra pessoa e o que será adequado falar, qual será a melhor postura física (olho no olho, ombros para cima, coluna reta), e fazer isto em casa, talvez diante do espelho. Também poderá escrever algumas frases que usará no diálogo com a pessoa agressiva, e tentar decorá-las para usá-las no momento oportuno.

Será importante pensar no alvo daquele contato, o que quer, o que não quer, e na hora não perder o foco deste alvo. Geralmente pessoas passivas abaixam a cabeça, não dizem o que queriam, e assim não conseguem o objetivo almejado.

Outra técnica é pensar na hora do contato com a pessoa agressiva que você não deve agir como ela, ou seja, responder no mesmo nível, porque ela pode estar provocando isto. Tem pessoas que adoram discutir. É a neurose delas. Evite isto. Você não tem que entrar neste jogo neurótico. Pense: até que ponto é importante eu me desgastar com esta pessoa briguenta? Algumas vezes ela terá que ouvir sim, o que você precisa dizer mesmo que seja algo forte. Então, diga com voz firme, olho no olho, ombros eretos, sem se preocupar com a reação dela, mas sim com o que é preciso ser dito, quer ela goste, quer não. Estes são alguns passos para resgatar a identidade normal perdida no passado.

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Autor: Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza, médico psiquiatra e psicoterapeuta, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, membro da American Psychosomatic Society, consultor psiquiatra da revista Vida & Saúde onde mantém coluna mensal, professor de Saúde Mental, visitante, do College of Health Evangelism e "Institute of Medical Ministry" do Wildwood Lifestyle Center and Hospital, Estados Unidos, Diretor Médico do Portal Natural, autor dos livros "Casamento: o que é isso?" e "Consultório Psicológico".

Artigos Relacionados:

Receba grátis nossas novidades!

Compartilhe este artigo!

1 Comentário. Participe você também!

  1. Oila , bom dia
    estou em medicmenos por 18 meses, e ultima vez fui ver psiquiatra eu pedi a ele para diminuir a dose de 20 mg de fluoxetina para 10 e naogostaria de continuar com quimicos e a noite eu mesmo ja crte de emvez de 10 mg de cmpaz corto ao meio e tomo somente 5 mg e logo emseguida tomo 3 mg de melatonina, poiso fluoxetina, me causa cansasso,fadiga,falta de desejo de fazer as coisasm e extranho e que tinha lido um artigo de que poderia causar depessao tambem, como fluoxetina pode causar depresao, eu a tomo para o combate a
    ansiedade, mesmo nao tendo estudo sei que a ansiedade e depressao sao mesmissimas coisas e nosso medicos formados no paraguay, nao teem capacidade de solucionaram nossos problemas so agravando e piorando, comprei via net 5htp m que marailha depois de
    20 dias inrivel eu acordava sorrino e alegre disposto, parei pois li um artigo que nao cairia bem tomando 5htp e a tal de fluoxetina, nao acredito no medio que visito e que devo fazer, segundo o que tenho lido naoposso parar a fluoxetina de uma vez e seide muitas pessoas
    que pararam sem aviso ao medico,depois perdi o apetite,e nesta iade de 68 1.75 nao posso perder peso ( 65) kilos,
    que devo fazer por favor

    alberto de paula freitas

Deixe Seu Comentário

Digite o código acima*


HOME | QUEM SOMOS | CONTATO



parceiroIASDO Portal Natural é um ministério de apoio à Igreja Adventista do Sétimo Dia
Parceria:


Copyright © 2002-2015 PortalNatural. Todos os direitos reservados.

Importante: As informações contidas neste site são destinadas unicamente para fins de informações e conhecimento geral, não devendo, em hipótese alguma, ser utilizadas como diagnóstico médico ou adoção de medicamentos. Qualquer dúvida, sintoma ou preocupação quanto à sua saúde, procure orientação médica ou profissional em sua respectiva área. | Os comentários postados nos artigos não constituem necessariamente a opinião dos criadores deste site, mas sim da própria pessoa que o postou. Não são permitidos comentários com citações de nomes, telefones, emails, sites, ou qualquer outro conteúdo que venha a expor ou difamar a imagem ou o sigilo de uma outra pessoa.