7

A emoção não é o amor

aemocaonaoeoamor

Milhares de pessoas casadas cada dia se envolvem em paixões extraconjugais e crendo que acharam o “amor da minha vida”. Acharam? Por que perderam o que tinham com o cônjuge? Não foi este cônjuge o “amor da minha vida” anos atrás, com quem criam que seriam felizes para sempre?

Amor vivido como sentimento de paixão é passageiro, ainda que dure meses. Psicólogos afirmam que dura uns dois anos, antes de se cair na realidade e começarem a surgir atritos difíceis no relacionamento, talvez os mesmos do casamento anterior, ou do atual na pessoa que mantém um(a) amante.

Inevitavelmente há um momento em que os apaixonados terão que se defrontar com as dificuldades pessoais e as de cada um,  pois TODAS as pessoas têm dificuldades de comportamento, algumas mais complexas, outras menos. As dificuldades que são suas na vida com seu esposo/sua esposa irão aparecer também num novo relacionamento, se não forem resolvidas DENTRO de você, em sua consciência, racionalmente. A a paixão esconde tais dificuldades de modo que ela não liga para elas porque está tomado pela emoção e a paixão também mascara as dificuldades de comportamento da outra pessoa apaixonada. Um não vê as dificuldades do outro e nem as próprias, que podem permanecer por um bom tempo abaixo da superfície da consciência. Neste momento ambos podem jurar terem encontrado o “amor da vida”. Na realidade, sentem isto porque estão usando “óculos escuros emocionais” que protegem da visão da verdade e da realidade de cada um e do outro. Se há sexo, aí a lente dos óculos é ainda mais grossa e escura, porque o prazer físico mascara a dor dos problemas comportamentais à espera e em necessidade de resolução.

A paixão emocional esconde da pessoa as dificuldades que ela tem porque mantém o indíviduo num êxtase, semelhante ao efeito de uma droga.  Naquela hora é tudo “paz e amor”. Quando acaba o efeito fica cinza, como um dia nublado. Então, é o momento de se lidar com a realidade, a dor, a limitação, a frustração, a necessidade de mudança interior que a droga e a paixão só prometem, mas não fazem.

Se você se relaciona com alguém casado que se diz  apaixonado por você, já se perguntou sobre o que ocorreu entre esta pessoa e o cônjuge dela? Será verdade todas as críticas que ela faz para você sobre o cônjuge dela? Se você escutasse aquela pessoa, o que ela diria do seu(sua) amante? Existe casamento em que o problema é só de um? O que é que este indivíduo com quem você mantém uma relação extraconjugal tem de limitação pessoal que faz infeliz o casamento dele? Ou você está ingenuamente crendo que o problemático é só o esposo/esposa dele(a)? Que segurança uma pessoa que é amante de alguém casado(a), sabendo que a pessoa é casada, tem no(a) amante? Pode-se confiar num adúltero? Que certeza haverá de que tal pessoa não irá fazer o mesmo ao se unir com o(a)amante, ao surgirem os problemas?

Quando surgem problemas de relacionamento conjugal, cada um deve lutar  pelo seu casamento no máximo do que depende de você e do que é possível fazer (conversando, lendo bons livros, tendo aconselhamento de casal, indo a encontros de casais, etc.).

Estudos em terapia de casal e família revelam que quando se rompe o casamento sem aprender a resolver dificuldades emocionais pessoais, e se casa de novo, há 60% de chance deste segundo casamento ser rompido.

Se você não amadurece como pessoa, uma paixão não faz isto. Pelo contrário, ela o envolve mais ainda na imaturidade. Amor é um princípio de ação. Ele não tem nada que ver com a volubilidade de uma paixão. As novelas também não ensinam isto. Pelo contrário.

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Autor: Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza, médico psiquiatra e psicoterapeuta, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, membro da American Psychosomatic Society, consultor psiquiatra da revista Vida & Saúde onde mantém coluna mensal, professor de Saúde Mental, visitante, do College of Health Evangelism e "Institute of Medical Ministry" do Wildwood Lifestyle Center and Hospital, Estados Unidos, Diretor Médico do Portal Natural, autor dos livros "Casamento: o que é isso?" e "Consultório Psicológico".

Artigos Relacionados:

Receba grátis nossas novidades!

Compartilhe este artigo!

7 Comentários. Participe você também!

  1. Divina Gomes disse:

    Não estou incentivando a traição de forma alguma, mas tem maridos que não dão atenção nenhuma pras esposas, namoradas, etc, as tratam como objeto, não teem coragem de dar um simples bom dia, e quando chega a noite querem sexo, engraçado né..

  2. Jaqueline Carvalho disse:

    O que posso perceber hoje é que muita gente trai pra completar o que o casamento perdeu, porém não no intuíto de acabar com o casamento anterior e sim ter uma válvula de escape para não enlouquecer.

  3. Elizabeth disse:

    O problema é identificar tudo antes…que isso aconteça, porque quando passamos por isso, não nos envolvemos mesmo sem fronteiras…
    Mas você está coberto de razão.
    Mas o amor tem alguma razão?
    Sei lá…

  4. Nilvania Cornelio disse:

    Gostei muito do artigo, principalmente porque tive um relacionamento assim. É a mais pura verdade.
    Que o Senhor te inspire cada dia mais em seus aconselhamentos.
    Nilvania::-)

  5. carol disse:

    Os psicólogos afirmam que paixão só dura dois anos (o máximo)…Eu gostaria de saber quando um relacionamento extraconjugal dura mais de seis anos, a amante deixa o parceiro e ainda assim ele não deixa de procurar e assume todos os compromissos financeiros.Sendo que o relacionamento foi exposto a todos inclusive a familia…;-)

  6. meiriele disse:

    eu concordo com esse artigo ,muito bom,tem pessoas que sao muito bobinhas elas tem que ler esse artigo,pra ela (eles) acordarem :D:D

  7. Elaine Neri disse:

    Parabéns pelos artigos, são claros e de fácil compreençao. Leio e indico para meus amigos através do twitter.

Deixe Seu Comentário

Digite o código acima*


HOME | QUEM SOMOS | CONTATO



parceiroIASDO Portal Natural é um ministério de apoio à Igreja Adventista do Sétimo Dia
Parceria:


Copyright © 2002-2015 PortalNatural. Todos os direitos reservados.

Importante: As informações contidas neste site são destinadas unicamente para fins de informações e conhecimento geral, não devendo, em hipótese alguma, ser utilizadas como diagnóstico médico ou adoção de medicamentos. Qualquer dúvida, sintoma ou preocupação quanto à sua saúde, procure orientação médica ou profissional em sua respectiva área. | Os comentários postados nos artigos não constituem necessariamente a opinião dos criadores deste site, mas sim da própria pessoa que o postou. Não são permitidos comentários com citações de nomes, telefones, emails, sites, ou qualquer outro conteúdo que venha a expor ou difamar a imagem ou o sigilo de uma outra pessoa.