7

Diabetes e Emoções

diabetesEEmocoes

O pai da Medicina, Hipócrates, disse: “Mais importante do que saber que doença tem a pessoa, é saber que pessoa tem a doença.” Ou seja, a maneira como funciona a mente (razão e emoção) da pessoa tem muito que ver com a doença dela. Corpo e mente atuam juntos para a saúde ou para a doença. Não adoecemos por compartimentos. Uma enfermidade pode se apresentar num determinado órgão ou sintoma, mas o todo – corpo e mente – estão envolvidos, um tentando ajudar o outro, um sofrendo com o outro.

O Diabetes é uma doença causada por fatores múltiplos. Ela é, fisicamente, caracterizada pelo aumento da glicose (açúcar) no sangue. O Diabetes Tipo 1 atinge crianças e adolescentes e a Tipo 2 atinge principalmente uma população entre 30 e 69 anos, embora já surjam casos também em crianças devido à obesidade e sedentarismo infantil.

Sintomas principais de Diabetes são: muita sede, muita fome e muita urina. Outros são: sonolência, dores generalizadas, formigamentos e dormências, cansaço doloroso nas pernas, câimbras, nervosismo, indisposição para o trabalho, desânimo, turvação da visão, etc. Os sintomas principais ocorrem porque com o aumento do açúcar no sangue (hiperglicemia), o corpo produz a sede para a pessoa beber água, e eliminar este excesso de glicose pela urina. E há muita fome porque a glicose não entrando na célula para produzir energia, deixa a pessoa fraca. Daí o corpo “pede” comida. O açúcar não entra na célula porque há um problema nos receptores (“portas” de entrada da célula) dela. Uma dieta gordurosa e vida sedentária favorecem o mal funcionamento destes receptores. Daí que se o diabético, especialmente Tipo 2, começa a praticar uma dieta vegetariana e exercícios físicos, melhora bastante e pode a vir a ter níveis normais de glicose no sangue e recuperar a saúde.

Pode-se prevenir o Diabetes Tipo 2 evitando o excesso de peso (reeducação alimentar) e combatendo o sedentarismo (falta de atividade física). No Diabetes Tipo 1 pode-se prevenir as complicações com dieta, exercícios físicos e equilíbrio emocional.

Muitos diabéticos sabotam o tratamento por motivos variados e determinados por aspectos profundos do emocional do indivíduo, alguns dos quais inconscientes. A rejeição da doença piora o quadro clínico. Cada diabético enfrenta a doença de maneira diferente de acordo com a sua estrutura psíquica ou organização mental pessoal.

Vários autores consideram o Diabetes uma doença psicossomática, ou seja, que possui fatores emocionais em sua causa. A doença psicossomática surge em decorrência do modo como a pessoa vivencia as emoções. Quando não expressamos nossas emoções devidamente, elas podem ser descarregadas em alguns órgãos, como no estômago, intestinos, coração, vasos sanguíneos, pele, etc. Uma agressividade contida pode estourar na própria pessoa. “A incapacidade de comunicar com palavras os seus pensamentos faz com que essa pessoa ‘fale’ com a ‘linguagem dos órgãos’, ou seja, o adoecer de determinado órgão é a forma inconsciente do indivíduo proclamar seu sofrimento, por não conseguir fazê-lo de outra forma…” (Silva, M.A.D. da, “Quem ama não adoece”, 1994, citado em “Reflexões sobre o Diabetes Tipo 1 e sua relação com o emocional”, D.B.Marcelino, M.D.B. Carvalho, Universidade Estadual de Maringá; Psicologia: Reflexão e Crítica, 2005, 18(1), pp.72-77).

Isto não quer dizer que todas as doenças são causadas só por aspectos emocionais, mas provavelmente também por eles. Daí relembre o que disse Hipócrates, que entender a pessoa doente é mais importante do que entender a doença isolada dos aspectos gerais da pessoa, tais como a maneira como ela vive as emoções em suas relações consigo mesma, com os outros, com a vida, com Deus.

Na próxima parte seguimos com esta reflexão sobre os aspectos emocionais no Diabetes.

 


 

No tratamento do diabetes é necessário, além de medicamentos, a dieta, exercícios físicos e busca de equilíbrio emocional. Na verdade, este último é importante para a recuperação de qualquer aspecto ligado à saúde. Importante entender que a doença física é apenas uma das manifestações do organismo em sofrimento e que ela atinge o emocional, queira a pessoa tenha ou não consciência disto.

O emocional é constituído por aspectos profundos e tem muito de inconsciente. Por exemplo, se a pessoa diabética tem muita raiva pela doença adquirida mas não tem consciência desta raiva e a nega, diz-se que ela possui uma raiva reprimida no seu inconsciente. O inconsciente é um espaço em nossa mente onde ficam sentimentos, pensamentos, imagens, sem que tenhamos acesso a ele quando queremos. Na medida em que esta pessoa tomar consciência dessa emoção, conseguir experimentá-la conscientemente e expressá-la adequadamente, ela eliminará fatores emocionais da doença que poderiam agravar o quadro.

Como qualquer doença, o diabetes será enfrentado de modo diferente por cada indivíduo, dependendo dos recursos emocionais que ele possua. Algumas pessoas são muito inconstantes emocionalmente, enquanto que outras conseguem ter melhor administração de seus sentimentos. A maneira como lidamos com nossos sentimentos favorece ou atrapalha o lidar com a doença física e pode ajudar a melhorar ou a piorar.

Dr. Samuel Silverman, da Universidade Harvard, diz que certas pessoas têm mais facilidade para desenvolver um câncer em algum ponto vulnerável do corpo se elas apresentam importantes dificuldades para expressar suas emoções. O mesmo pode ocorrer no caso do diabetes. Uma maneira de descarregar a emoção é pelo chorar convulsivo, e outra é falando. “A incapacidade de comunicar com palavras os seus pensamentos faz com que essa pessoa ‘fale’ com a ‘linguagem dos órgãos’, ou seja, o adoecer de determinado órgão é a forma inconsciente do indivíduo proclamar seu sofrimento, por não poder conseguir fazê-lo de outra forma.” (Silva, 1994).

O diabetes se desencadeia principalmente por fatores hereditários, mas o fator hereditário não é suficiente para que haja a doença, são necessárias “…modificações exteriores violentas com valor de trauma…” (Debray ,“O equilíbrio psicossomático: um estudo sobre diabéticos”, Casa do Psicólogo, 1994).

Ajuriaguerra, (“Manual de Psiquiatria Infantil”, 1976) explica que: “Na anamnese (colher os dados do paciente) de adolescentes diabéticos, E. P. Stein e V. Charles [1971] verificaram perdas parentais [morte, separação, divórcio] ou distúrbios familiares graves em uma proporção significativamente elevada, o que, segundo eles, justifica a hipótese de que um indivíduo fisiologicamente sensível, em um clima de estresse afetivo, é mais suceptível a desenvolver manifestações clínicas do diabetes…”

O diabetes é uma doença multifatorial e o fator emocional é muito importante para a melhora ou piora. Se isto for compreendido pelo diabético e se ele tomar consciência e aprender a lidar com as emoções em conflito em seu interior, muito ajudará na administração da doença.

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Autor: Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza, médico psiquiatra e psicoterapeuta, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, membro da American Psychosomatic Society, consultor psiquiatra da revista Vida & Saúde onde mantém coluna mensal, professor de Saúde Mental, visitante, do College of Health Evangelism e "Institute of Medical Ministry" do Wildwood Lifestyle Center and Hospital, Estados Unidos, Diretor Médico do Portal Natural, autor dos livros "Casamento: o que é isso?" e "Consultório Psicológico".

Artigos Relacionados:

Receba grátis nossas novidades!

Compartilhe este artigo!

7 Comentários. Participe você também!

  1. jessica disse:

    Por favor se alguem ver meu comentario peço que os medicos descubra um meio para soluçao para cura do diabetes pois quero viver tenho tanto tanto sonhos eu nao quero morre que essa vacina que vim que pode chega en 2015 aqui que seja logo pois eu nao quero morre por favor obrigado

  2. Daiany disse:

    Eu descobri a doença faz mais ou menos 10 meses. Com isso passei a ser agressiva e não ter auto controle ou melhor dizendo domínio próprio. Sofro muito com isso, afinal passo a descontar em meu noivo e isto está acabando com o nosso relacionamento.

    Já pensei varias vezes em procurar um psicanalista, mais não sei o que faço! Estou muito triste com toda a situação! Preciso de Ajuda!

  3. Fátima disse:

    Desculpem-me ! Me confundi ! Eu queria repassar pra um amigo !

    Gostei muito !

  4. vera lucia fernandes da silva disse:

    enho 30 anos e sou diabetica a 4 anos, sou dependente de insulina, mas não concigo cotrolála,sera que eu vivo ater meus 50 anos?

  5. Dr. Cesar, sou Adventista e tenho um SITE para AJUDAR as pessoas e recebo muita correspondência de “portal natural”. Ao postar um artigo teu, Dr Cesar, uma pessoa procurou-me através de meu SITE precisnado de ajuda e quer consultar-se com você. Como não tenho seu telefone e E-mail da Clínica onde trabalha, solicito que me envie por E-mail pois a pessoa (é do Rio de Janeiro) está “desesperada” por ajuda!. Pode me enviar pelo meu E-mail? Obrigada. Visite meu SITE e verá o comentário postado lá da pessoa sob teu Artigo. Abraços.

  6. Tenho um SITE PESSOAL DE AJUDA e muitas pessoas tem necessidade de outro tipo de “ajuda” e esta é a Psicológica. Já postei uns dois Artigos de Portal Natural nele e a aceitação foi ótima. Também sou Diabética e sei que o “emocional” mexe bastante com ela. Por isto, gostaria de postar em meu SITE: http://www.concebidarp.com esta e outras matérias de relevância para a SAÚDE MENTAL, EMOCIONAL E ESPIRITUAL dos meus amigos Internautas. Parabéns. Belo artigo e cheio de “profundidade!” Abraços.

Deixe Seu Comentário

Digite o código acima*


HOME | QUEM SOMOS | CONTATO



parceiroIASDO Portal Natural é um ministério de apoio à Igreja Adventista do Sétimo Dia
Parceria:


Copyright © 2002-2015 PortalNatural. Todos os direitos reservados.

Importante: As informações contidas neste site são destinadas unicamente para fins de informações e conhecimento geral, não devendo, em hipótese alguma, ser utilizadas como diagnóstico médico ou adoção de medicamentos. Qualquer dúvida, sintoma ou preocupação quanto à sua saúde, procure orientação médica ou profissional em sua respectiva área. | Os comentários postados nos artigos não constituem necessariamente a opinião dos criadores deste site, mas sim da própria pessoa que o postou. Não são permitidos comentários com citações de nomes, telefones, emails, sites, ou qualquer outro conteúdo que venha a expor ou difamar a imagem ou o sigilo de uma outra pessoa.