6

Depressão: Resultado de Auto-Punição? – Uma Interpretação

depressaoResultadoDeAutoPunicao

Depressão é um estado mental sofrido. Caracteriza-se por tristeza profunda, desânimo, idéias negativas, pessimistas, às vezes irritação, chôro fácil ou bloqueio do chorar (quando então a pessoa experimenta uma forte angústia no peito, que é o choro preso), desprazer em estar com as pessoas, sente-se pior pela manhã, tendo dificuldade para levantar da cama, insônia, às vezes idéias suicidas (porque a pessoa não vê solução para seu sofrimento), etc.

A depressão pode surgir por perda do objeto amado. Perda real ou imaginária, parcial ou total, temporária ou definitiva. Quando um cônjuge se casa amando seu marido/mulher, e ao longo dos anos de casamento ocorrem frustrações entre ambos porque nenhum dos dois satisfaz todas as necessidades afetivas mútuas, há, então, uma perda. Pode-se juntar a esta perda a que foi trazida da infância na qual também ocorreram frustrações na família de origem. A perda da infância pode ficar inconscientizada e a pessoa viver no presente como se a dor do passado não tivesse mais nenhuma relação com a atual – nem toda dor emocional do passado mal resolvida é consciente. Alia-se à esta perda infantil, a perda atual, ou seja, do casamento. Daí surge acúmulo de dor que pode se tornar insuportável.

O que você faz quando surge dor física? Toma um analgésico, um comprimido, um líquido, uma injeção, um chá, uma pomada, uma compressa, ou gelo. E quando a dor é emocional? Você pode tomar medicamentos, dormir demais, se drogar, fingir que não há dor, trabalhar demais, punir a pessoa que o frustrou. E como pode punir? Privando-a de afeto, se tornando fria, indiferente, agressiva. Pode trair, se isolar, privar a pessoa de sexo, abandoná-la, pode se dedicar exageradamente à um outro membro da família, etc.

A pessoa frustrada, carente de afeto e de valorização, pode ter razão em se sentir magoada e ferida porque pode ter sido privada de atitudes que gerariam auto-valor. E autovalorização é uma necessidade humana básica. Quando há perturbação da formação dela por causa do desamor anterior, o indivíduo pode recorrer a métodos não construtivos para a formação da necessária autovalorização. Pode buscar a coisa positiva, de maneira negativa, destrutiva.

A Bíblia fala de um “eu” carnal e de um “eu” espiritual. O “eu” carnal também experimenta amor. Só que ele é unido à vaidade. E a vaidade se exalta na tentativa de construir um autovalor machucado e machucador. Mas o amor “carnal” que precisa da vaidade para construir o auto-valor (coisa positiva), busca este auto-valor de maneira errada porque no amor verdadeiro (vivido pelo “eu” espiritual) não existe a busca dos próprios interesses de maneira inconveniente, não produz injustiça, não machuca ninguém. “O amor [maduro] é paciente e bondoso. Não é ciumento, nem orgulhoso, nem vaidoso. Não é grosseiro, nem egoísta. Não se irrita, nem fica magoado. Não se alegra quando alguém faz alguma coisa errada, mas se alegra quando alguém faz o que é certo. Nunca desanima, porém suporta tudo com fé, esperança e paciência.” (adaptado de A Bíblia na Linguagem de Hoje).

O tipo de amor que gera auto-valor só tem bons resultados no caminho da verdade, porque se não a sensação de auto-valor pode até vir com a prática do erro, mas junto vem a culpa. E para tentar apagar esta culpa a pessoa pode atacar o outro, aquele que o feriu, ficando cega para seus próprios erros e maneiras equivocadas de buscar auto-valorização.

Se a pessoa está num caminho errado, que sua consciência condena, ela terá  culpa inevitavelmente. Culpa real. Pode se sentir péssima consigo e passar a não só punir o outro que a frustrou, como pode –  veja só! – punir a si própria. Como? Com a depressão.

A depressão pode ser, portanto, uma forma da pessoa manifestar uma auto-punição (resultado da culpa real) por ter buscado métodos errados de punir aquele que o frustrou. Ela pode ficar nisso o tempo todo, num círculo vicioso assim: se sente frustrada ➜ busca valorização e afeto de maneira errada ➜ surge a culpa ➜ tenta racionalizar essa culpa punindo quem a frustrou ➜ se sente culpada mais ainda (principalmente se a pessoa já pediu perdão e procura amar agora sinceramente) ➜ surgem sintomas depressivos. Volta a buscar valorização e bem-estar da maneira errada ➜ surge a culpa ➜ racionaliza essa culpa atacando ou desprezando quem a frustrou ➜ vem mais culpa ➜ se deprime. Etc.

Será a solução usar remédios para abafar a culpa e a dor? Como cortar este círculo vicioso negativo, destrutivo? Primeiro, a pessoa frustrada precisa cortar o método errado (indiferença, infidelidade, agressividade) que está usando para obter o certo (auto-valor, afeto). Segundo, perdoar a pessoa que a frustrou, e aceitar o perdão solicitado. Terceiro, perdoar a si mesma por seus próprios erros. Quarto,  colaborar para a restauração de um relacionamento afetivo maduro, dentro de uma nova visão do amor e do amar. Quinto, aprender a lidar com a dor da perda (do passado infantil e do presente) , suportando-a, sem fugir para meios destrutivos, acreditando e dando tempo para ver que esta dor irá diminuir e até desaparecer justamente na medida que for enfrentada com a verdade, a lealdade, a paciência, a compreensão, o perdão (por si e pelo outro), e o desejo que pode surgir na alma de amar melhor. A depressão tem cura. E o que cura é a verdade e o amor maduro. 

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Autor: Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza, médico psiquiatra e psicoterapeuta, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, membro da American Psychosomatic Society, consultor psiquiatra da revista Vida & Saúde onde mantém coluna mensal, professor de Saúde Mental, visitante, do College of Health Evangelism e "Institute of Medical Ministry" do Wildwood Lifestyle Center and Hospital, Estados Unidos, Diretor Médico do Portal Natural, autor dos livros "Casamento: o que é isso?" e "Consultório Psicológico".

Artigos Relacionados:

Receba grátis nossas novidades!

Compartilhe este artigo!

6 Comentários. Participe você também!

  1. Cicero Maciel disse:

    gostaria de parabenizar pela materia com certeza o Senhor usa vcs para dar conforto as almas sofredoras afim de indicar um caminho para o Medico dos medicos:JESUS

  2. Anônimo disse:

    Tenho sofrido muito com a separação de meu cônjuge. Ele me traiu e saiu de casa para ficar com outra mulher. Ficamos casados por muitos anos. Mas o motivo, tenho certeza, foi porque fiquei “velha” e ele por ser um pouco mais novo que eu, quis viver com alguém mais jovem. Entrei em depressão, e faço terapia já por um bom tempo. A dor é muito grande, só quem passa por isto sabe. Existem pessoas que dizem que basta ter fé em Deus que não vai cair em depressão. Mas não creio, porque busco muito a Deus, estudo muito a Bíblia, oro quase sem cessar e mesmo assim me sinto deprimida. Graças a Deus, agora já está amenizando um pouco a dor, mas tem sido muito difícil.

  3. Christiano G Araújo disse:

    Falou-se pouco sobre a dor neste processo, principalmente no último parágrafo. Falo da dor de origem espiritual/psicológica mas que já se traduz em dor física, real. Essa dor é um dos pontos chaves/entraves neste processo e merece mais desenvolvimento.

    Esta dor pode ser tão grande e tão sufocante a ponto de paralisar o indivíduo. Qualquer um que esteja nesta situação não deve se sentir encorajado a enfrentar a situação sozinho, como se fôsse resultado unica e exclusivamente de sua vontade. Aliás, como vc é o que pensa, sua votade, diria, tem muita importância nisto. Mas como vc se encontra em um estado “especial”, “incapaz” de pensar de outra forma, vai precisar de ajuda.

    É como o carro que precisa ser empurrado no início para pegar. Sua vontade entra no momento em que decide ajudar quem está te empurrando e não assumindo uma postura de quem deseja ser empurrado eternamente.

  4. Arlete disse:

    Primeiramente obrigada por esse seu trabalho voluntário, nos ajudando a tratar com assuntos tão complexos da nossa mente. Quanto ao perdão, já sabemos que independente da outra pessoa reconhecer o erro e pedir o perdão, o ideal é que perdoemos sempre, para preservar um estado emocional e espiritual saudável. Mas uma questão que nem sempre é fácil de identificar, é quando restabelecer o relacionamento, ou se ele deve ser totalmente rompido. Como saber se o outro está sendo mesmo sincero. E caso esteja usando de engano, de mentira, apenas para obter algumas vantagens. Poderia nos dar alguns conselhos sobre como identificar uma situação assim?
    Desde já agradeço e que Deus continue abençoando o seu ministério.

  5. Anônimo disse:

    …e quando a pessoa que o frustrou ou o magoou, já o fez outras vezes, sempre com pedidos de perdão, e não demonstra arrependimento sincero? Gostaria de que fosse escrito algum artigo tratando deste tipo de conduta, abordando o outro lado e o que pode ser feito nesses casos.

  6. Flávio lima disse:

    MUITO IMPORTANTE ESSE ESSE ASSUNTO
    EU PASSO POR DEPRESSÃO AINDA MAIS COM TANTO ESFORÇO VOU ME EQUILIBRANDO SEM DEPENDER DE MEDICAMENTOS APENAS EXERCICIOS

Deixe Seu Comentário

Digite o código acima*


HOME | QUEM SOMOS | CONTATO



parceiroIASDO Portal Natural é um ministério de apoio à Igreja Adventista do Sétimo Dia
Parceria:


Copyright © 2002-2015 PortalNatural. Todos os direitos reservados.

Importante: As informações contidas neste site são destinadas unicamente para fins de informações e conhecimento geral, não devendo, em hipótese alguma, ser utilizadas como diagnóstico médico ou adoção de medicamentos. Qualquer dúvida, sintoma ou preocupação quanto à sua saúde, procure orientação médica ou profissional em sua respectiva área. | Os comentários postados nos artigos não constituem necessariamente a opinião dos criadores deste site, mas sim da própria pessoa que o postou. Não são permitidos comentários com citações de nomes, telefones, emails, sites, ou qualquer outro conteúdo que venha a expor ou difamar a imagem ou o sigilo de uma outra pessoa.